• Praça do Feijão, Irecê - BA

    O município é famoso e reconhecido pelo grande potencial agrícola e agropecuário, tendo recebido o título de "Cidade do Feijão"

  • Educação

    Acompanhe as notícias sobre educação

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Política: Frota fará boneco inflável de Bolsonaro com os filhos


[Frota fará boneco inflável de Bolsonaro com os filhos, semelhante ao Pixuleco de Lula]
foto:reprodução
Ter um Pixuleco não será apenas privilégio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Jair Bolsonaro também vai ganhar um boneco inflável para chamar de seu. 
De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, o equipamento representará o presidente amarrado a uma camisa de força com os filhos no colo.
A ideia é do deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), que, antes aliado de Bolsonaro, transformou-se em um de seus mais ferrenhos opositores. Segundo a publicação, o parlamentar encomendou o desenho a um chargista. 
“Bolsonaro terá a cara do Coringa e os três filhos estarão de fraldas: Carlos com um celular na mão, Eduardo com boné do Trump, bandeira dos EUA e chupeta e Flavio segurando uma laranja”, afirmou Frota à coluna. 
Dois principais adversários da política brasileira, Bolsonaro e Lula terão seus próprios bonecos infláveis nas ruas. Após a soltura do ex-presidente, antilulistas pensam em ressuscitar o Pixuleco

fonte:Bocão News/reprodução

Em reunião: Bolsonaro expressa arrependimento por Mourão ser seu vice

Resultado de imagem para bolsonaro e mourão
foto:reprodução

O presidente Bolsonaro para manter sua rotina de falar sem refletir, afirmou ontem(12) em reunião com deputados  que o deputado Federal, o príncipe  Luiz  Phillipe de Bragança deveria ter sido seu vice, e não o General Mourão. Confira a reportagem no link abaixo da coluna de Mônica Bergamo da folha de São Paulo de hoje(13).

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2019/11/voce-deveria-ter-sido-meu-vice-e-nao-esse-mourao-ai-diz-bolsonaro-a-principe.shtml

Núcleo 'familiar astrológico' de Bolsonaro pode prejudicar economia, diz Eduardo Gianetti

Em sua próxima obra, o autor de "Trópicos Utópicos" (2016) e "O Elogio do Vira-lata e outros ensaios" (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, que discute o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há punição por ser desonesto
"Pensar que o liberalismo econômico funcionará isoladamente das políticas para o meio ambiente é um erro grave e uma visão tacanha do liberalismo, coloca em risco a própria economia e até o futuro da agenda liberal defendida pela equipe econômica do governo Bolsonaro. Medidas como a anunciada na semana passada, em que foi derrubado um decreto que proibia o plantio de cana de açúcar na Amazônia e no Pantanal, podem prejudicar não só o meio ambiente, mas também o futuro do agronegócio e a própria agenda liberal defendida pela equipe capitaneada pelo ministro Paulo Guedes, pelo menos na visão do economista e cientista social Eduardo Gianetti.
"A área econômica não devia se omitir em relação a isso", afirmou Gianetti, PhD em Economia pela Universidade de Cambridge, ex-professor da USP e do Insper, em entrevista à BBC News Brasil.
  • Gianetti, responsável pelo programa econômico da candidata derrotada à Presidência Marina Silva (Rede), classifica como "tenebroso" o núcleo do governo protagonizado pelos filhos do presidente e por ministros simpatizantes às ideias do escritor Olavo de Carvalho, em especial nos setores do meio ambiente, educação e relações exteriores, que não podem ser desconectados da visão econômica.
"Achar que o liberalismo econômico pode existir independentemente do que acontece nessas áreas é um equívoco grave. A questão do meio ambiente, por exemplo, se for muito mal encaminhada, como vem sendo, vai isolar o Brasil da economia mundial. Vamos passar a sofrer boicotes", diz o economista. "Achar que vai tratar educação, relações internacionais e meio ambiente como brinquedo do núcleo familiar astrológico é um equívoco gravíssimo".
O economista falou à BBC News Brasil em um intervalo de seu isolamento em uma pousada na cidade histórica de Tiradentes, em Minas Gerais, onde se dedica a escrever seu próximo livro e tem passado a maior parte de 2019. Fugindo radicalmente do barulho e das distrações da cidade grande, já é o sexto livro que ele escreve por lá. "É uma concentração total. Eu pego meu celular, ponho dentro da minha maleta, ponho a minha maleta dentro do armário, fecho o armário a chave e guardo a chave dentro da gaveta. Meu computador não liga internet. É para trabalhar. Eu recomendo".
Gianetti diz que nenhum presidente brasileiro desde a redemocratização — FHC, Lula, Dilma, Temer ou Bolsonaro — tratou como prioridade o que teria sido fundamental para garantir ao país um futuro menos que medíocre: dar educação e infraestrutura básicas para a população, como saneamento e transporte público, para formar trabalhadores mais produtivos e cidadãos plenos. "O desafio civilizatório secular do Brasil é a formação de capital humano".
Em sua próxima obra, o autor de Trópicos Utópicos (2016) e O Elogio do Vira-lata e outros ensaios (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, referência a uma fábula que aparece no livro dois da República de Platão. Na história, um pastor descobre um anel que tem o poder de torná-lo invisível e, por isso, inimputável. "É um livro sobre ética, e a pergunta é o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há nenhum tipo de punição por ser desonesto. O Brasil é um país em que os políticos acham que ganham o anel de Giges quando chegam ao poder".
'O núcleo familiar astrológico é tenebroso, e ele domina áreas muito importantes, que não podem ser desconectadas do resto', diz o economista Eduardo Gianetti
© BBC News Brasil 'O núcleo familiar astrológico é tenebroso, e ele domina áreas muito importantes, que não podem ser desconectadas do resto', diz o economista Eduardo Gianetti

Leia os principais trechos da entrevista:
BBC News Brasil — O sr. já falou que o principal problema do Brasil é a desigualdade de oportunidades. Por que?
Eduardo Gianetti — A condição de vida em que a pessoa nasce é determinante na sua trajetória. Isso é desigualdade de oportunidades. O filósofo político americano John Rawls, de Harvard, propõe um teste da boa sociedade, que é o principio da escolha sob o véu da ignorância. Nessa proposta, a sociedade ideal é a seguinte: você não nasceu ainda, você não sabe qual vai ser a sua condição ao nascer, o nível de renda da sua família, sua família, seu gênero, a cor da sua pele, sua orientação sexual e você precisa eleger uma sociedade na qual você gostaria de nascer, considerando que tudo pode acontecer com você.
Quais seriam as características da sociedade em que você escolheria nascer? É um experimento mental, os filósofos gostam muito desse tipo de exercício. São duas: a sociedade em que a condição do menos favorecido é menos ruim, porque você quer se proteger da pior possibilidade, e a que existe maior permeabilidade para que você possa ascender e melhorar a sua condição com seu próprio esforço. O Brasil está muito longe de aprender isso. Eu não sou a favor da igualdade de resultados, que é improdutiva e injusta ao mesmo tempo.
BBC News Brasil  Em que todos tivessem o mesmo padrão de vida?
Eduardo Gianetti — Em que todo mundo chega igual independente do que se empenhou, do quanto fez, do talento, de quanto valoriza. Felizmente nem todos valorizam o sucesso financeiro da mesma maneira. É bom que o mundo seja assim. Tem pessoas que preferem criar, tem pessoas que preferem ter relações afetivas, uma vida mais rica socialmente. E tem alguns que preferem ser muito focados em sucesso econômico, e também é bom que alguns sejam assim, desde que não seja todo mundo. [...] É natural que haja desigualdade nessa situação, são valores diferentes. O que não dá para aceitar é uma situação em que o ponto de partida já defina de antemão, antes de qualquer escolha que se faça, os vitoriosos e os perdedores no campo econômico. É nisso que o Brasil está.
Tem uma fábula que é uma graça. Duas crianças estão caminhando pela rua e uma delas percebe que tem duas maçãs, uma pequena e uma grande no chão, e entrega a menor pra amiga. A criança que ganha a maçã pequena começa a reclamar: você me deu a maçã pequena, você é tão injusta, você ficou com a maçã grande e me deu a pequena, achei que você fosse minha amiga. Mas a criança que deu a menor disse: peraí, se você tivesse pego as duas maçãs, o que teria feito? Eu teria dado a maior para você. Então por que você está reclamando?
E, no entanto, a que está reclamando tem absoluta razão. Porque uma coisa é essa resultante acontecer de maneira voluntária, porque uma delas abriu mão. A outra é essa desigualdade ser imposta de uma sobre a outra. O que está em jogo não é o resultado, mas o caminho até ele. O caminho tem que ser respeitado. O que o Brasil não tem, definitivamente, é essa legitimidade no caminho.
Em sua próxima obra, o autor de "Trópicos Utópicos" (2016) e "O Elogio do Vira-lata e outros ensaios" (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, que discute o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há punição por ser desonesto© Divulgação Em sua próxima obra, o autor de "Trópicos Utópicos" (2016) e "O Elogio do Vira-lata e outros ensaios" (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, que discute o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há punição por ser desonesto
BBC News Brasil — Por que?
Eduardo Gianetti — O problema vem da nossa formação, do modelo de colonização que prevaleceu na história do Brasil, de monocultura, escravocrata. Um país que retardou absurdamente a abolição da escravatura e que fez a abolição com muita leviandade, muita inconsequência. Para muitos, até piorou a situação. Teve escravo que se ofereceu de volta, porque a vida ficou ainda pior. As distorções do período longo de escravidão não desaparecem da noite para o dia, elas se perpetuam. O caso do Brasil talvez seja um dos países em que as consequências da escravidão têm mais permanência, porque de certa maneira até hoje as consequências da escravidão estão conosco na desigualdade, na desigualdade de oportunidades, principalmente.
BBC News Brasil — Muitos economistas defendem que o crescimento econômico reduziria a desigualdade. O senhor concorda?
Eduardo Gianetti — Não. Isso é discutido há muito tempo e não só no Brasil. A tese é: primeiro é preciso fazer o bolo crescer, para depois distribuir. Tem uma lógica: com a má distribuição de renda você tem mais poupança, porque a propensão de quem ganha mais é fazer mais poupança. A lógica desse raciocínio furado é que você precisava primeiro fazer a poupança, para daí fazer o investimento, para fazer o bolo crescer, e aí distribuir. O que está errado: isso não leva em conta a formação de capital humano.
Se a distribuição de renda e de oportunidades for muito desigual, como é no Brasil, você vai estar sacrificando o principal insumo de um país, que é o capital humano. Gente inteligente, qualificada, bem preparada, formada para agregar inteligência àquilo que faz. Se você não formar capital humano está condenado a ter um país pobre.
O bolo não vai crescer se não tiver capital humano. O bolo não cresce, o país fica medíocre, se você tem uma oferta abundante de mão-de-obra não qualificada. O desafio civilizatório secular do Brasil é a formação de capital humano.
BBC News Brasil — Passada a recessão, muitas pessoas entraram na pobreza, em um momento em que o país está envelhecendo. Que consequência isso traz pro futuro?
Eduardo Gianetti — Um quadro que já é ruim se agrava pela regressão em um país que começava a dar os primeiros passos para reduzir a desigualdade e dar oportunidades. E que depois de uma recessão tão brutal como o país viveu, condena um número crescente de brasileiros a viver abaixo da linha da pobreza extrema. É um retrocesso. Agora, nós cometemos um erro grave, espero que o Brasil tenha aprendido.
Na época da bonança, quando o superciclo das commodities estava nos favorecendo e o Brasil obteve um adicional de riqueza que o mundo lhe transferiu, pela valorização das commodities, em vez de usarmos isso de maneira prudente e inteligente, formando capital humano, nós fizemos uma farra do consumo via crédito, via distribuição direta de renda. Sem dar a devida atenção à infraestrutura humana, ao saneamento, à educação. Nós consumimos de maneira inconsequente uma chance que o mundo nos deu de aprimorar e melhorar de maneira permanente, consistente, nossa capacidade de gerar riqueza e bem-estar.
BBC News Brasil — Devíamos ter investido em quê, naquela época?
Eduardo Gianetti — A falta de prioridade em ensino fundamental no Brasil durante o ciclo tucano-petista é uma das coisas mais incompreensíveis que eu imagino.
BBC News Brasil — Por que esta etapa do ensino, especificamente?
Eduardo Gianetti — Por que se não tiver isso bem resolvido, o resto não vai. E saneamento básico. Estamos em um país em que quase a metade dos domicílios não tem coleta de esgoto. Então o governo transfere bilhões para o Eike Batista, para a JBS, a extravagância foi enorme de usar o dinheiro do BNDES para fazer campeões nacionais, a Oi, entre outros. E não transfere recursos para resolver essas questões muito elementares do século XIX, que são ensino fundamental de qualidade, saneamento básico e transporte público. A coisa do automóvel foi um escândalo também, um monte de incentivo ao setor automotivo para favorecer o transporte de uma elite que tem automóvel no Brasil, enquanto o transporte público foi deixado totalmente de lado e deteriorado. A produtividade continua extremamente baixa, mas nós tivemos a oportunidade de dar um salto e perdemos. O mundo nos deu uma enorme chance e jogamos fora por afã imediatista. Essa recessão pela qual o Brasil passou em 2015 e 2016 foi uma consequência de manter artificialmente as taxas de crescimento em um momento em que não era mais possível fazê-lo.
BBC News Brasil — No governo Dilma?
Eduardo Gianetti — O governo Dilma foi de uma incompetência épica. O primeiro mandato do Lula foi a melhor surpresa de redemocratização, na minha avaliação. Mostrou alternância de poder no Brasil, com serenidade, com racionalidade na política econômica e na política pública. O Brasil parecia que tinha ganhado uma maturidade adquirida. O governo Dilma tentou forçar a mão e gerou uma mega recessão. O enredo do governo Dilma é muito parecido com o governo Geisel. No sentido de que o Geisel pegou a economia pós um boom em um momento em que a economia global não estava mais favorável e quis manter o milagre econômico artificialmente usando poupança externa; gerou a crise da dívida externa. A Dilma pegou uma economia embalada por um ciclo de commodities e tentou manter o embalo do crescimento, mas, em vez do gasto externo, usou o fiscal, perdeu o controle da despesa pública. Gerou a crise fiscal com a qual nós estamos enrolados até hoje. A diferença entre Dilma e Geisel é que um foi dívida externa e o outro foi dívida bruta interna.
BBC News Brasil  O sr. diz que não acertamos nas prioridades nem no governo FHC, nem Lula nem Dilma. E depois da Dilma?
Eduardo Gianetti — Depois da Dilma nós estamos em guerra de guerrilha estamos para fazer o ajuste fiscal. No Temer criou-se a regra de ouro, o teto do gasto, começou a controlar o gasto, parou de crescer o déficit primário. E agora assistimos a continuação desse filme com esse conjunto muito amplo de medidas anunciadas pelo Paulo Guedes. Se não fizesse isso ia se gerar uma crise financeira, estávamos nesse caminho. Se o Brasil não criar o mínimo de ancoragem fiscal, ou seja, um horizonte em que a dívida pública ao longo do tempo se estabiliza, uma estabilidade da relação dívida/PIB daí virava argentina. Temer e Bolsonaro estão desesperadamente procurando ancoragem fiscal na área econômica.
BBC News Brasil  E a parte social? Essa multidão de novos pobres era inevitável por causa da recessão?
Eduardo Gianetti — Não. Não era inevitável. É compreensível que aumente, mas se se nós tivéssemos políticas públicas bem desenhadas poderíamos atenuar e até reverter muito esse quadro desastroso de piora da desigualdade de piora da pobreza extrema.
BBC News Brasil  Então esse foi um erro dos últimos governos?
Eduardo Gianetti — É um problema que não é simples, porque hoje 93% do orçamento do governo Federal é gasto obrigatório. A margem de manobra para usar o dinheiro de maneira melhor é muito pequena e, para ajustar o fiscal, vai se comprimindo os gastos discricionários, inclusive o investimento. É complexo. Agora o que não dá para entender é que o Brasil tem uma carga tributária de 33% do PIB; de cada três reais de valor que o Brasil cria com o trabalho, um vai para o governo. Temos um déficit nominal, a diferença entre o que o Brasil arrecada e gasta, de 6% do PIB. Então estamos em um país em que 39% de todo o valor criado pela sociedade é intermediado pelo Estado brasileiro. E o ensino fundamental é deplorável, a saúde pública é vergonhosa, metade dos domicílios não têm saneamento básico, a segurança pública é péssima, como a educação. Tem muita coisa errada no setor público brasileiro.
BBC News Brasil  Com tantos vulneráveis, o Estado não tem que ser grande?
Eduardo Gianetti — O que não dá para tolerar é que com essa carga tributária e esse déficit nominal os recursos não apareçam para a sociedade, esse é o problema. Mas porque isso não acontece? Por que gasta com a Previdência dos ricos, o Estado gasta com ele mesmo.
BBC News Brasil  Para manter privilégios?
Eduardo Gianetti — Na Previdência é privilégio. A conta de juros, que está caindo agora, também é muito alta. Você tem 5.570 municípios no Brasil, eu falo isso há 10, 15 anos. Cidades que não têm sequer um posto de saúde decente têm câmara de vereador. Aí você pega educação, o Estado brasileiro gasta uma fatia alta das verbas que destina a educação para financiar a educação dos ricos no ensino superior. Eu não me conformo com isso, é regressivo. Tem que ter uma regra de ouro em que ninguém deixa de fazer universidade porque não pode pagar. Para mim é uma regra de ouro. Mas quem pagou o ensino médio e fundamental porque para de pagar quando chega na parte mais cara da educação? Não dá para justificar. Isso é privilégio também.
BBC News Brasil — Falando do governo Bolsonaro. O senhor diz que um desafio importante, junto com a desigualdade e educação, é o meio ambiente. Como tem visto a atuação nessa área?
Eduardo Gianetti — O governo Bolsonaro tem três vetores, três núcleos razoavelmente bem definidos. O núcleo econômico, liderado pelo Paulo Guedes, tem o núcleo militar, que cuida das áreas de segurança, de geopolítica, e tem o núcleo que eu chamo familiar astrológico. O menos ruim dos três, na minha opinião, é o núcleo econômico. Está longe do que eu imaginaria ser o melhor para o Brasil, mas tem boas intenções e está caminhando na direção correta. O núcleo familiar astrológico é tenebroso, e ele domina áreas muito importantes, que não podem ser desconectadas do resto.
BBC News Brasil — Que áreas?
Eduardo Gianetti — Meio ambiente, educação, direitos humanos. Achar que o liberalismo econômico pode existir independentemente do que acontece nessas áreas é um equívoco grave. A questão do meio ambiente, por exemplo, se for muito mal encaminhada, como vem sendo, vai isolar o Brasil da economia mundial. Vamos passar a sofrer boicotes.
BBC News Brasil — Pode atrapalhar o acordo com a União Europeia?
Eduardo Gianetti — Vai atrapalhar, o agronegócio brasileiro vai ser prejudicado. Vai ser prejudicado por boicotes internacionais e, no longo prazo, vai ser prejudicado por desequilíbrio ecológico interno. Não tem agronegócio sustentável sem a floresta Amazônica de pé.
BBC News Brasil — O governo autorizou na semana passada, por exemplo, o plantio de cana na Amazônia e no Pantanal, revogando um decreto de 2009. Que achou?
Eduardo Gianetti — Isso é um retrocesso inaceitável, a área econômica não devia se omitir em relação a isso.
BBC News Brasil — Não dá para a equipe econômica considerar que, se avançar a agenda liberal, tudo vai dar certo?
Eduardo Gianetti — Isso é uma visão míope e tacanha do liberalismo. E o próprio agronegócio precisa perceber que o futuro dele vai se comprometer se não soubermos usar bem o nosso patrimônio ambiental. O regime pluviométrico não só do centro-oeste, mas do Brasil, do qual depende o agronegócio brasileiro, está muito ligado à preservação do patrimônio ambiental da Amazônia. Podemos estar deflagrando mecanismos de feedback que se autoalimentam que vão tornar o Brasil menos produtivo ainda naquele setor que segura nossa balança comercial e nossa produtividade, que é o magnífico agronegócio. Não dá para separar. Educação é um problema totalmente econômico gritante. Não é um problema de aluno e professor, de ideologia. É uma questão de formação de de capital humano, para qualquer modelo econômico.
BBC News Brasil — Vê efeito da segmentação do debate? Meio ambiente virou coisa de esquerda, contas públicas de direita...
Eduardo Gianetti — Essas divisões são grandes artificialismos são convenções. Educação é um assunto fortemente econômico, meio ambiente fortemente econômico, assim como, para essas áreas o bom andamento da economia também é fundamental, senão não tem recursos para investir em educação, para fazer a preservação ambiental, tudo isso está interligado. Achar que vai tratar educação, relações internacionais e meio ambiente como brinquedo núcleo familiar astrológico é um equívoco gravíssimo.
BBC News Brasil — O senhor participou da campanha eleitoral, em momentos diferentes. Acredita que a situação estaria melhor se Marina tivesse sido eleita?
Eduardo Gianetti — Ninguém é bom juiz em causa própria. Mas não precisava ser tão ruim quanto está sendo.
BBC News Brasil — O senhor vê risco para a democracia, mantendo o caminho atual?
Eduardo Gianetti — Eu vejo risco sim. Eu vejo um risco de polarização raivosa na eventualidade de Lula saindo da cadeia (A reportagem falou com o economista na quinta-feira, 7, antes da saída do ex-presidente, que foi no dia 8). Aliás, nada interessa mais ao grupo bolsonarista do que repolarizar com o Lula de novo ameaçando. Não estou dando opinião, mas que interessa ao grupo radical a repolarização raivosa porque aglutina, eu não tenho dúvida. Esse é um risco.
Outro risco é um conflito entre poderes. A crise institucional tem um enredo conhecido. Nós temos três poderes na República, no momento em que um poder tomar uma decisão soberana que é pertinente e outro poder não respeitar, está estabelecido um impasse. São três poderes, pode acontecer de muitas maneiras.
Dado o perfil do atual Executivo, a possibilidade de um impasse assim acontecer até o fim do mandato não é nula, acho que não é nem desprezível. Então precisa prestar muita atenção e tomar muito cuidado. À toa à toa nós podemos caminhar e já tivemos no passado muito perto disso.
BBC News Brasil — Por exemplo?
Eduardo Gianetti — Por exemplo, quando o Supremo julgou o início do processo em relação ao Aécio Neves, que já tinha sido absolvido no Congresso. Se o Supremo votasse pelo início do processo ele ia perder o mandato e a decisão do Supremo ia afrontar o que o Congresso tinha decidido. Eu me lembro perfeitamente do constrangimento da presidente do STF, que era a Carmen Lúcia, claramente votando contra a consciência dela para não esticar a corda e não correr o risco de um impasse constitucional. Ela votou pela não-abertura do processo contra o Aécio Neves; absolutamente transparente o constrangimento para não correr o risco de criar um impasse constitucional em um momento de fragilidade do país. E nós tivemos muito perto disso.
BBC News Brasil — A saída do Lula e essa repolarização aumentam esse risco?
Eduardo Gianetti — A resposta para a sua pergunta é sim.
BBC News Brasil — E a Lava-jato? Qual o saldo dela?
Eduardo Gianetti — Altamente positivo, apesar da decepção de todos nós que torcemos pela Lava-Jato de saber que, no afã de fazer justiça, houve um atropelo do devido processo legal. No afã de fazer justiça. Agora eu acho a Lava-Jato absolutamente um ponto de inflexão em um quadro de impunidade crônica dentro do qual o Brasil sempre viveu.
BBC News Brasil — Continua positivo?
Eduardo Gianetti — Altamente positivo. Não obstante o desapontamento com esse afã justiceiro que atropela em alguns momentos o devido decoro da legalidade.
BBC News Brasil — Como o senhor vê o futuro?
Eduardo Gianetti — Pelo menos uma vantagem existe em se ter uma certa idade. Eu já vi muita coisa. Já vi o país completamente desesperançado.
BBC News Brasil  Quando?
Eduardo Gianetti — Houve momentos do governo Sarney, para não falar na ditadura. Vamos pegar da redemocratização para cá. O confisco que o Collor fez foi uma coisa de uma violência. Eu não sou uma pessoa de certezas muito pronunciadas, mas tenho uma tranquilidade. O que o Brasil está vivendo é um capítulo sombrio, mas que vai terminar.
Nós entramos nisso por conta dessa polarização raivosa que se instaurou e que nos levou para uma interdição da possibilidade de diálogo construtivo. Olhando em retrospecto o que chama muita atenção para mim politicamente é o seguinte: PT e PSDB são dois agrupamentos surgidos da oposição à ditadura militar e com programas que não são tão diferentes assim. Têm muitas áreas de vizinhança e de proximidade. PT e PSDB disputaram seis eleições seguidas entre si. Jamais foram capazes de coordenar e cooperar em nome dos seus objetivos comuns.
Preferiram governar com o que há de mais sinistro da política brasileira do que conversar, ao invés de trabalharem juntos. Isso nos trouxe para o colo desse retrocesso. O ponto de virada foi o desastre económico da Dilma. Eu espero que tenha ficado o aprendizado de que se nós do campo democrático não soubermos trabalhar juntos, nós vamos favorecer os radicais da pior espécie.
BBC News Brasil — Mas vê alguém trabalhando nesse sentido?
Eduardo Gianetti — Eu espero que sim e acho que é o que precisa acontecer. Se nós nos fragmentarmos e nos dividirmos e ficarmos incapazes de mostrar que somos a maioria da sociedade, porque somos, vamos abrir o caminho para o flanco. Eu estudei muito na última eleição o que aconteceu na república de Weimar, na Alemanha, que abriu o caminho pré-Hitler. Hitler foi eleito. Por que? Porque os sociais-democratas e os comunistas passaram a ver um no outro o seu pior inimigo. Os comunistas chamavam os sociais-democratas de social facistas, e os social-democratas achavam que o comunismo ia levar para o bolchevismo. Quem aproveitou isso e quem cresceu com essa briga? O nazismo.
BBC News Brasil  E isso pode se reverter já nas próximas eleições?
Eduardo Gianetti — Eu não tenho bola de cristal para ver isso, mas eu acho que lideranças novas podem reencontrar o espaço do diálogo de quem tem uma visão compartilhada sobre democracia, sobre direitos humanos, sobre redução da desigualdade.
BBC News Brasil  O senhor tem conversado com alguém? Luciano Huck?
BBC News Brasil — Não. Mas eu acho que vão começar a surgir lideranças, isso é natural. Mas espero que tenhamos aprendido que se não houver cooperação, entendimento entre os que são contra o radicalismo, especialmente de direita, o radicalismo prevalece. Essa onda que elegeu Bolsonaro por muito pouco não elegeu Marina em 2014.
O desapontamento com o status quo da política brasileira esteve muito perto, mas muito perto, de eleger a Marina em 2014, que era uma saída democrática e construtiva. Pela violência da campanha, a Marina não teve a chance de sequer chegar ao segundo turno. Mas esteve muito perto por um momento depois da morte do Eduardo Campos. Essa mesma onda de raiva, desapontamento e rejeição com a política brasileira elegeu o Bolsonaro. Nós saímos da pior maneira possível.
fonte;BBC News/ reprodução - 13/11/2019 - 07h:42min.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Esposa "teme que eu conte a verdade", diz ex-empresário de Schumacher

© Fornecido por Grande Prêmio
Willi Weber é uma figura importante na carreira de Michael Schumacher. Ex-empresário do lendário piloto, ele crê que a família do alemão tem medo que ele torne a situação de Schumacher como pública.
O heptacampeão mundial, de 50 anos, está em coma desde 2013 após sofrer um acidente em uma estação de esqui na França. Weber não tem contato forte com Schumacher nos dias atuais e gostaria muito de saber o real estado do piloto, mas a esposa Corinna blinda Michael.

"Eu sei que Michael foi atingido de forma muito forte, mas infelizmente, não fez muito progresso. Gostaria de saber o que ele estava fazendo, se consegue apertar mãos ou mexer o rosto, mas isso é tudo rejeitado pela Corinna”, disse Weber.

© Fornecido por Grande Prêmio

"Ela provavelmente tem medo que eu entenda o que está acontecendo e torne público. Eu ainda creio na recuperação do Michael porque sei que ele é um lutador. Se tiver a chance, ele agarrará. Isso não pode ser o fim. Rezo por ele e estou convencido de que o veremos novamente", comentou em entrevista ao jornal alemão ‘Express.de’.

O primeiro dos sete títulos de Schumacher na F1 completa 25 anos nesta semana. Willi era o empresário do alemão na época, e contou o clima de apreensão e festa após a batida do alemão com Damon Hill, que posteriormente rendeu o campeonato.

"Estava nos boxes da Benneton com Corinna e Flavio Briatore. Para nós, era claro. Com aquilo, Hill era campeão do mundo, mas ele subitamente ficou lento e veio para os boxes. Enquanto os mecânicos da Williams freneticamente tentavam colocar o carro de volta na pista, eu estava mais nervoso do que nunca. Quando ele teve que desistir, toda a pressão acabou, lágrimas caíram. Na cerimônia, chorei bastante", declarou.

Bahia: Gov. Rui envia projeto para estender contrato Reda para 72 meses


Projeto foi publicado no Diário Oficial do Legislativo baiano nesta terça-feira, 12 | Foto: Vaner Casaes | ALBA Divulgação - Foto: Vaner Casaes | ALBA Divulgação
Plenário da AL-BA foto:reprodução
O governo Rui Costa encaminhou à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) o Projeto de Lei nº 23.644/2019 com o objetivo de prorrogar o prazo máximo do período de contratações via Regime Especial de Direito Administrativo (Reda). Atualmente, o limite é de 48 meses. 
Com o PL, o governo quer aumentar para mais 24 meses, estendendo para 72 meses. Publicado no Diário Oficial do Legislativo baiano nesta terça-feira, 12, o texto já enfrenta resistência entre os deputados oposicionistas.
Em nota, o líder da bancada de oposição, deputado Targino Machado (DEM), afirma que a contratação por Reda se configura "uma precarização do trabalho no serviço público". "Deveria ser algo excepcional, mas o governo tem transformado numa regra. E o pior: sem critérios muito claros para fazer essa contratação por Reda”, afirmou.
O líder oposicionista ainda lança mão de dados passados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-BA), que apontou o crescimento no número de contratos via Reda no Estado, passando de 15.528 em 2015 para 34.358 em 2018.
Na mensagem enviada ao Legislativo, o governo afirma que o objetivo da matéria é "adequar a previsão temporal incidente sobre as contratações voltadas para o atendimento da necessidade temporária de excepcional interesse público às mudanças contextuais que implicam na atualização do ordenamento jurídico, mormente no que concerne ao provimento da melhor prestação do serviço à sociedade".
"Atende-se, ainda, aos princípios constitucionais da eficiência e isonomia, garantindo a otimização, economicidade e igualdade para as contratações dessa natureza, ressaltando o compromisso permanente do Estado da Bahia com a consecução da melhor atividade administrativa", justifica o Executivo. Informações de atardeonline de hoje(12).

MP de novo programa de empregos exclui pessoas acima de 55 anos



[Governo exclui pessoas acima de 55 anos de novo programa de empregos]
foto:reprodução
O presidente Jair Bolsonaro assinou ontem (11) uma MP (Medida Provisória) que cria o programa Emprego Verde e Amarelo, modalidade que reduz a tributação sobre empresas que contratarem jovens de 18 a 29 anos em primeiro emprego. O governo recuou e retirou do projeto o trecho que daria os mesmos benefícios para a contratação de pessoas acima de 55 anos. Elas foram excluídas da proposta e não terão direito a participar do programa.
Na última terça-feira (5), o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, havia confirmado a participação de trabalhadores dessa faixa etária no programa. "Um dos objetivos é o de reduzir os custos de contratação de jovens entre 18 e 29 anos e de pessoas acima de 55 anos que não estejam aposentadas", disse na ocasião.
De acordo com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, o governo levou em conta a questão fiscal para limitar o programa a jovens. Ele justificou se tratar de um projeto piloto que pode ser ampliado futuramente.
"Tivemos que fazer uma opção, nossa ideia era realmente abranger pessoas com mais de 55 anos, mas fizemos os cálculos da Lei de Responsabilidade Fiscal, que impõe que para cada renúncia é necessário uma compensação, e optamos por esse grupo de jovens, que é fragilizado e tem índice mais alto de desemprego", disse.
Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a taxa de desemprego para os jovens de 18 a 24 anos era de 25,8% no segundo trimestre do ano (último dado disponível). Naquele período, o desemprego era de 12%. No trimestre encerrado em setembro, era de 11,8% (o IBGE ainda não divulgou o resultado por faixa etária do segundo trimestre).
O emprego para jovens é o que tem puxado a geração de vagas neste ano. De janeiro a setembro, o país criou 761,8 mil vagas, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Apenas para os jovens de 18 a 29 anos, foram criadas 805 mil vagas.
Já para os que têm mais de 40 anos, foram fechadas 246,7 mil postos de trabalho. Por se tratar de uma MP, o programa passa a valer imediatamente, mas dependerá de aval do Congresso para seguir em vigor. O objetivo da medida é reduzir os custos dos empregadores e, com isso, viabilizar uma redução do desemprego e da informalidade.
A equipe econômica espera criar 1,8 milhão de vagas formais até 2022 com essa proposta. Em conjunto com outras medidas apresentadas nesta segunda, a expectativa é alcançar a marca de 4 milhões de novos postos.
Empresas que contratarem jovens de 18 a 29 anos até o fim de 2022 terão desconto na contribuição previdenciária patronal, que será reduzida de 20% para zero. Alíquotas do Sistema S, do salário-educação e do Incra também serão zeradas.
O repasse ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) cairá de 8% para 2%. Para esses trabalhadores, a multa do FGTS em caso de demissão sem justa causa poderá ser de 20%, e não o patamar de 40% dos outros funcionários que seguem o regime atual.
Essa mudança será efetivada mediante a acordo. Na estimativa do governo, o novo contrato de trabalho provocará uma redução de 30% a 34% no custo da mão de obra.
A nova modalidade só valerá para contratações de pessoas com remuneração de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.497). Para evitar que os atuais funcionários sejam substituídos por novos (mais baratos), o governo vai avaliar o número de empregados das companhias antes do programa. A empresa só terá o benefício para cada novo contratado acima desse patamar e que atenda aos requisitos.
Essa força de trabalho desonerada poderá representar no máximo 20% do total de empregados da empresa. As contribuições serão reduzidas por um prazo de dois anos. Depois, as alíquotas serão imediatamente ampliadas ao patamar que incide sobre os trabalhadores em geral. Originalmente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, planejava instituir uma desoneração ampla da folha de pagamentos, que valeria para todas as idades e seria permanente.
Para compensar a perda de arrecadação, seria proposta a criação de um imposto sobre movimentações financeiras aos moldes da extinta CPMF. Alvo de críticas e rejeitada por Bolsonaro, a medida acabou deixada de lado pela equipe econômica, que passou a trabalhar em uma proposta de desoneração mais restrita, com limite etário e de salário.
Para bancar o novo programa, o governo passará a cobrar contribuição previdenciária de pessoas que recebem seguro-desemprego. Na mesma medida, Bolsonaro incluiu trecho para liberar o trabalho aos domingos e feriados para todos os setores.
Nesses casos, o trabalhador terá direito a repouso semanal remunerado em qualquer outro dia da semana. Hoje, apenas alguns setores, por convenção coletiva, podem atuar nesses dias.
O governo já havia proposto permissão de trabalho aos domingos e feriados na MP conhecida como da liberdade econômica. O trecho, contudo, foi retirado do texto durante votação no Senado, em agosto.
O Senado decidiu que o trabalho aos domingos e feriados -que foi incluído na MP da Liberdade Econômica durante a tramitação do texto no Congresso- não tinha relação com o propósito inicial do projeto.
No pacote de medidas, o governo propôs incentivar a reabilitação física e habilitação profissional para reinserir vítimas de acidente de trabalho ou pessoas que estejam fora do mercado por alguma incapacidade. Hoje, menos de 2% das pessoas que recebem benefício por incapacidade são reabilitadas.
​Também foram flexibilizadas as regras para contratação de pessoas com deficiência. O mínimo exigido (até 5%) não foi alterado, mas uma empresa poderá comprar a cota de outra. Trabalhadores com deficiência severa contarão em dobro para o preenchimento das vagas.
Também nesta segunda, foi anunciado um programa de microcrédito voltado para pessoas de baixa renda. Outra medida vai reduzir o índice de reajuste de débitos trabalhistas. Hoje, a atualização é feita pelo IPCE-E mais 12% ao ano (cerca de 16% ao ano). O novo modelo prevê reajuste de IPCA mais juros da poupança. Segundo o governo, essa taxa hoje ficaria em 6%.
O governo espera que sejam criadas 450 mil vagas de trabalho com essa medida. Outras 1,8 milhão viriam das vagas para jovens; 500 mil da liberação de trabalho em domingos e feriados; e 1,25 milhão com novas regras para pessoas com deficiência e reabilitação de trabalhadores que recebem algum benefício por incapacidade do INSS.

fonte:Folhapress

Ao acabar com DPVAT, Bolsonaro atinge em cheio negócios de Luciano Bivar

BRASÍLIA - A decisão do presidente Jair Bolsonaro de editar uma medida provisória que extingue, a partir de janeiro de 2020, os seguros obrigatórios DPVAT e DPEM, vai atingir em cheio os negócios do presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE).
Atual desafeto do presidente da República, Bivar é o controlador e presidente do conselho de administração da seguradora Excelsior, uma das credenciadas pelo governo para cobertura do seguro DPVAT. A empresa intermediou o pagamento, de janeiro a junho de 2019, de R$ 168 milhões em indenizações relacionadas ao seguro, segundo relatório de auditoria da Líder DPVAT.
O presidente Jair Bolsonaro 
© Gabriela Biló/Estadão O presidente Jair Bolsonaro 

A Excelsior Seguros foi adquirida por Bivar na década de 1990. Em seu site, a Excelsior se declara a maior seguradora do Nordeste. Questionado sobre o assunto, o Palácio do Planalto não comentou. Bivar também não se manifestou até a publicação deste texto.
Em 2017, Luciano Bivar assumiu o mandato de deputado federal na suplência de um parlamentar do PSB que se licenciou para assumir uma secretaria no governo de Pernambuco. Desde então, passou a defender na Câmara os interesses das seguradoras.
fonte:Estadão - 12/11/2019