sexta-feira, 29 de julho de 2016

Após denúncia: Presidente do Bradesco não é ingênuo, diz procurador


foto:reprodução

O procurador Frederico Paiva, um dos responsáveis pela denúncia contra o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que o executivo tinha pleno conhecimento de que seus subordinados negociavam pagamento de propina a uma organização criminosa e que Trabuco não é "ingênuo". 
Paiva argumentou que, embora não haja provas de contatos diretos do presidente do banco com lobistas que atuavam junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf ) e à Receita Federal, os diretores do Bradesco não discutiriam processos envolvendo milhões sem a anuência do comandante da instituição. 
"Para assumir a presidência do Bradesco, ingênuo Trabuco não é. Se não participava [das tratativas] o tempo todo, ele controlava o que estava acontecendo. A confiança entre presidente e diretores é outro forte indício de autoria", listou, rechaçando a tese de que ele pode ser sido enganado por seus funcionários. 
Outro procurador que assina a petição, Herbert Mesquita foi além: "As coisa se passaram na sua antessala, com seus diretores. Ele esteve presente em certos momentos das reuniões, foi mencionado diretamente pelos interlocutores, então a gente não tem a menor dúvida de que ele sabia", concluiu 
No total, dez pessoas foram denunciadas, entre elas Trabuco e outro três altos funcionários do banco: Mario da Silveira Teixeira Junior, membro do Conselho de Administração, o diretor vice-presidente, Domingos Figueiredo de Abreu, e diretor-gerente de relações com investidores, Luiz Carlos Angelotti. 
Para o Ministério Público e a Polícia Federal, Domingos Abreu, Mario Teixeira Junior e Luiz Carlos Angelotti eram os responsáveis por tratar os interesses do banco com os demais investigados. Eles são suspeitos de terem negociado pagamento de propina para livrar o Bradesco de dívidas ou recuperar créditos com a Receita Federal e o Carf, órgão vinculado ao Ministério da Fazenda. 
Segundo os procuradores, a denúncia lista ao menos três frentes de negociação dos suspeitos, mas nenhuma delas chegou a ser concretizada, ou seja, não ocorreu o pagamento de vantagens indevidas. O procurador Herbert Mesquita esclareceu, porém, que a simples negociação de repasses ilícitos já configura crime. 
"O pagamento não é essencial para a configuração do crime, ele existe mesmo com a promessa de pagamento. Estão sendo processados porque prometeram pagar propina a agentes públicos", afirmou Mesquita. 
Ainda de acordo com os investigadores, os suspeitos interromperam todas as tratativas depois que a primeira etapa da Operação Zelotes foi deflagrada, no início do ano passado. 
Frederico Paiva revelou ainda o advogado Mario Pagnozzi, um dos intermediários entre o banco e os órgão públicos e também denunciado, teria indicado o nome de Trabuco para a presidência do Bradesco.

fonte:folha press
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Pesquise

Mais vistas

Marcadores

Seguidores

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.