domingo, 29 de janeiro de 2017

EUA: Justiça Federal barra decreto de Trump que restringe imigrantes e refugiados




DECISÃO É TEMPORÁRIA E PARCIAL, MAS BENEFICIA DIRETAMENTE IMIGRANTES MUÇULMANOS (FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER)


A Justiça Federal americana emitiu uma ordem de emergência na noite de sábado(28) impedindo temporariamente os EUA de deportar estrangeiros de nações escolhidas por Donald Trump. A decisão levou em conta a perda de direitos legais dos deportados.
A juíza distrital dos Estados Unidos, Ann Donnelly, decidiu pela suspensão depois que advogados da União Americana das Liberdades Civis (ACLU) apresentaram uma petição judicial em nome de pessoas de sete nações predominantemente muçulmanas que foram detidas em aeroportos em todo o país.
A ordem proibiu os agentes de fronteira dos EUA de remover qualquer pessoa que chegasse aos EUA com um visto válido do Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen. Ele também beneficiou qualquer pessoa com um pedido de refugiado aprovado.
O Departamento de Segurança Interna emitiu uma declaração no início do domingo, 29, que disse que a ordem judicial não afetaria a implementação global da ordem da Casa Branca.
Ainda segundo o governo, a ordem judicial afetou apenas um pequeno número de viajantes que foram incomodados por procedimentos de segurança em seu retorno.
"As Ordens Executivas do Presidente Trump permanecem em vigor - as viagens proibidas continuarão proibidas e o governo dos Estados Unidos mantém seu direito de revogar vistos a qualquer momento, se necessário para segurança nacional ou segurança pública", disse Stephen Miller, conselheiro sênior da Casa Branca.
"A decisão da juíza de Brooklyn de forma alguma impede a execução da ordem do presidente, que permanece no efeito total, total e total", completou.
Após o anúncio da decisão judicial, manifestantes foram para a frente de aeroportos americanos e do tribunal de Brooklyn.
Os aeroportos de Nova York e de Chicago, além de instalações em Minneapolis e Dallas-Fort Worth foram alguns dos lugares escolhidos pelos manifestantes. Legisladores e funcionários dos EUA em todo o mundo também criticaram o movimento.
No ano passado, os EUA receberam 85 mil pessoas afetadas por guerra, opressão política, fome e preconceito religioso, incluindo mais de 12.000 sírios.
Antes de deixar o cargo, o presidente Barack Obama anunciou que os EUA aceitariam 110 mil refugiados, mas a ordem de Trump cortou para 50 mil.Informações do Diário do Poder.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Pesquise

Mais vistas

Marcadores

Seguidores

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.