quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Bahia: Mudança de regra terá impacto nas mensalidades do Planserv

Com as mudanças no Plano de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos (Planserv) e reajuste na tabela de pagamento do plano (veja abaixo), os servidores públicos estaduais vão ter que ficar de olho nas contas. Para  alívio deles, os agregados já usuários do seguro continuarão usufruindo dos benefícios já utilizados hoje, sem precisar comprovar que não possuem vínculos empregatícios. Porém, esses vão ter que pagar o mesmo valor dos titulares.

O governador Rui Costa tem 14 dias para sancionar a lei aprovada pela Assembleia Legislativa anteontem. Entre as mudanças que deverão impactar no contracheque e no orçamento dos servidores está o aumento na mensalidade dos cônjuges. A contribuição do companheiro(a), que era de 40% da mensalidade do titular, vai para 50%.



Sem assistência
 
Se sancionada, a lei deve mexer com o orçamento de muitos servidores e de suas famílias, que terão as mensalidades aumentadas em até três vezes, segundo apurou a reportagem.  É o caso da  professora aposentada Conceição Mesquita, de 57 anos. Além do aumento de 2,98% na mensalidade, ela terá que pagar o triplo do valor para continuar com o benefício para ela e seus  seis agregados. Desses,  duas são suas filhas, que têm mais de 18 anos  - e quatro netos. “A de 33 estuda e a de 24 já trabalha, mas ela precisa do Planserv, pois é diabética”, conta. 

Apesar de considerar positiva a decisão da Assembleia de continuar incluindo o  agregado com idade entre 24 e 35 anos, ela diz que a cobrança pelo valor integral da mensalidade é abusiva. “As  mudanças vão interferir  nas minhas contas. Tenho outras obrigações a cumprir”, afirma. Sem a contribuição dos netos, ela pagará R$ 943,50. “Se não conseguir adequar, terei que tirá-las  do plano”. 

Dos 502 mil segurados pelo Planserv, 37,8% são titulares e 33,6% são agregados - filhos, enteados e ex-pensionistas maiores de 18 anos ou netos de até 35 anos. 

A servidora aposentada Vera Lucia Mascarenhas, 63, também diz que terá que tirar sua filha, de 31 anos, do seguro. Atualmente, o  benefício dela custa R$ 223,60 e o da filha R$ 79,49, o que totaliza R$ 303,09. Com a aprovação da lei, ela vai pagar R$ 447,20. 

“Gosto do serviço do Planserv e não sou contra o reajuste. Mas, nessas proporções é errado. Vai interferir no meu orçamento e de várias  pessoas. Além disso, tivemos um reajuste abaixo da inflação”.  
Com salário em torno de R$ 6 mil, a servidora  Robelia Guimarães, 38, por sua vez, será mais afetada pelo aumento da contribuição de seu esposo, de R$ 125,84 para R$ 170,95. 

Em entrevista ao CORREIO, a coordenadora do Planserv, Cristina Cardoso, reconhece que as mudanças no plano vão interferir no orçamento dos servidores, mas considera que é melhor fazer essa medida agora do que colocar em risco a qualidade de serviço. “Tentamos manter a lógica da remuneração pensando no social. Todas as mudanças visam à sustentabilidade, à ampliação e à interiorização do plano. Tudo levando em consideração o envelhecimento da população e o aumento do custo dos serviços”, diz, acrescentando que o Planserv vai rever a cota de consultas em 2016. 



Fonte:Redação Correio c/adaptações
imagem:reprodução


Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Pesquise

Mais vistas

Marcadores

Seguidores

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.